Dica: Luz pulsada

Oi, gente! Como eu já falei pra vocês aqui, se tem uma coisa que eu tomo bastante cuidado é com a minha pele e tenho todo um ritual para cuidar dela todos os dias. Passei a ter esse cuidado depois de um certa idade (antes disso era só sol sem protetor, senhor!!!) e, também, depois que comecei a frequentar mais a minha dermatologista, a Dra. Marice.

Bom, a questão é que em uma das minhas visitas à clínica dela, reclamei de algumas manchinhas que começaram a aparecer na minha pele, decorrentes da exposição excessiva ao sol entre outros fatores e ela me indicou um tratamento que me surpreendeu: a luz pulsada. Nas primeiras sessões já notei uma grande diferença e ainda pensei: como eu não tinha feito antes? Realmente, vale muito a pena!

Como gosto de compartilhar todas as novidades que eu encontro pra vocês, pedi para a dra. Marice explicar um pouquinho mais detalhadamente sobre esse procedimento…

“Quando chegamos perto dos 30 anos começamos a notar os efeitos do acúmulo de sol na pele durante todos esses anos, sem contar o passar do tempo, claro! Notamos as manchas, as rugas finas, as marcas de expressão e o início da perda da firmeza da pele!

É hora de se preocupar com o envelhecimento e procurar um médico que oriente o tratamento pra tentar freiar ou retardar estas marcas da idade…

Um dos tratamentos mais completos é a chamada luz pulsada: um aparelho que emite uma Luz capaz de clarear as manchas, amenizar as rugas, eliminar os vasos e estimular colágeno (células que deixam a pele firme)!

O ideal são 4 sessões por ano, a sessão dura uns 20 minutos, a pele fica um pouco vermelha e às vezes com algumas casquinhas onde tem as manchas mas que melhoram em menos de uma semana. O melhor de tudo: não dói nada!” 

Espero que tenham gostado da dica porque, como nos textinhos, gosto de dividir com vocês somente o que acho que vale a pena!!!

Beijinhos,

Gabi

Clínica Renove

Dra. Marice El Achkar Mello

Telefone: (48) 32280550

Anúncios

A simplicidade das coisas simples… Por Pati Jucá

Ontem comecei um livro que na primeira página dizia “ (…) que mania as pessoas tem de achar que vieram ao mundo com uma missão”. De uma forma bem engraçada ele explica que as pessoas precisam crer que carregam um fardo, uma missão, mais ou menos para legitimar sua existência, ser útil ao mundo – e para quê? Pois é, me perguntei para quê? Como pode ser tão difícil entender que a gente SÓ veio para ser feliz. Logo pensei, se viemos para ser feliz, por que existem as coisas chatas?

Ainda sem resposta, voltei ao meu pensamento de felicidade e decidi que vim sem propósito nenhum. Vim perambular entre os vivos para ser feliz e aproveitar o sol enquanto ele ainda me esquenta.

Afim de cumprir meu objetivo, pragmática que sou, resolvi fazer uma lista das coisas que no último final de semana me deixaram feliz. Juntei dez coisas e não me acho muito diferente de vocês, entre dinheirinho no bolso e algumas outras futilidades de menina, a maioria delas é bem banal – água quente na torneira, post it colorido, caderninhos, música nova, caminhar, e por aí vai… Como não existe o bem sem o mal, imediatamente pensei nas coisas que não gosto muito, mas precisam ser feitas. Para elas resolvi usar outra estratégia, fiz outra lista e nela uso a minha razão. Vamos fazer, porque precisa ser feito. Chato ir pra academia no frio? Chato ter que programar as contas do cartão? Chato ter que ir ao super? Chato, chato, chato! Mas precisa ser feito.

Então combinamos o seguinte, razão para as coisas chatas, coração para todo o resto e vamos perambular por aí, pois a verdade é sempre simples e preciso de companhia para ser feliz!

Boa semana gente linda!

Thinking…

Hoje quem vai falar um pouquinho aqui no Thinking sou eu, Gabizinha! Para continuar nesse clima romântico eu, que adoro um textinho de amor, encontrei pela internet esse aqui do Arnaldo Jabor…

Achei maravilhoso e acredito que muitos vão se identificar!

“Ninguém ama outra pessoa pelas qualidades que ela tem, caso contrário os honestos, simpáticos e não fumantes teriam uma fila de pretendentes batendo a porta. O amor não é chegado a fazer contas, não obedece à razão. O verdadeiro amor acontece por empatia, por magnetismo, por conjunção estelar. Ninguém ama outra pessoa porque ela é educada, veste-se bem e é fã do Caetano. Isso são só referenciais.

Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca. Ama-se pelo tom de voz, pela maneira que os olhos piscam, pela fragilidade que se revela quando menos se espera.

Você ama aquela petulante. Você escreveu dúzias de cartas que ela não respondeu, você deu flores que ela deixou a seco. Você gosta de rock e ela de chorinho, você gosta de praia e ela tem alergia a sol, você abomina Natal e ela detesta o Ano Novo, nem no ódio vocês combinam. Então?

Então, que ela tem um jeito de sorrir que o deixa imobilizado, o beijo dela é mais viciante do que LSD, você adora brigar com ela e ela adora implicar com você. Isso tem nome.

Você ama aquele cafajeste. Ele diz que vai e não liga, ele veste o primeiro trapo que encontra no armário. Ele não emplaca uma semana nos empregos, está sempre duro, e é meio galinha. Ele não tem a
menor vocação para príncipe encantado e ainda assim você não consegue despachá-lo. Quando a mão dele toca na sua nuca, você derrete feito manteiga. Ele toca gaita na boca, adora animais e escreve poemas. Por que você ama
este cara?

Não pergunte pra mim; você é inteligente. Lê livros, revistas, jornais. Gosta dos filmes dos irmãos Coen e do Robert Altman, mas sabe que uma boa comédia romântica também tem seu valor.

É bonita. Seu cabelo nasceu para ser sacudido num comercial de xampu e seu corpo tem todas as curvas no lugar. Independente, emprego fixo, bom saldo no banco. Gosta de viajar, de música, tem loucura por computador e seu fettucine ao pesto é imbatível. Você tem bom humor, não pega no pé de ninguém e adora sexo. Com um currículo desse, criatura, por que está sem um amor?

Ah, o amor, essa raposa. Quem dera o amor não fosse um sentimento, mas uma equação matemática: eu linda + você inteligente = dois apaixonados.

Não funciona assim.

Amar não requer conhecimento prévio nem consulta ao SPC. Ama-se justamente pelo que o Amor tem de indefinível. Honestos existem aos milhares, generosos têm às pencas, bons motoristas e bons pais de família, tá assim, ó! Mas ninguém consegue ser do jeito que o amor da sua vida é! Pense nisso. Pedir é a maneira mais eficaz de merecer. É a contingência maior de quem precisa.”

Arnaldo Jabor

Espero que vocês gostem!

Beijinhos,

Gabizinha

Dica: Filminho pro dia dos namorados!

Oi, gente!!! Quem me conhece sabe que eu sou cinéfila, viciada em filmes! Por eu ser bem caseira, uma das coisas que mais gosto de fazer nos finais de semana é assistir o máximo que eu puder…

No último final de semana vi um romance lindo chamado “Um dia”, que mostra o encontro de um casal no mesmo dia durante 20 anos e deixa uma lição de aprendizado bem grande! Pra quem gosta de romances, vale muito a pena assistir…

E pra quem não sabe e gosta de uma boa leitura, o filme foi inspirado em um livro, do autor David Nicholls. Fica a dica de presente para os meninos…

Espero que gostem!

Beijinhos,

Gabi

Weekend…

Foto 1: Gabi usa colar – C0531

Foto 3: Julia usa colar – C0488

Foto 6: Brinco – B1599 / Pulseira – Q0403

Foto 9: Gabizinha usa Fio e Cruz – C0582

Foto 10: Colar – C0630 / Pulseiras – Q0416 / Anel – A0044

Foto 11: Julia usa colar – C0668

Foto 17: Gabi usa colar – C0605

Obs.: Interessados em peças que não estão disponíveis na nossa online store, favor entrar em contato através do e-mail: contato@gabrielafaraco.com.br.